quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Nasa acredita ter resolvido mistério sobre megaestrutura ‘alienígena’ no espaço

Da BBC
Image copyrightNasa
Image captionIlustração mostra uma estrela atrás de um cometa fragmentado; observações sugerem que esse seja o motivo dos misteriosos padrões de luz da estrela KIC 8462852
Uma estrela enigmática emitindo misteriosos padrões de luz motivou cientistas a sugerir, no mês passado, a possibilidade de vida alienígena naquele local.
Um deles chegou a relacionar o comportamento estranho e incomum da estrela, que lembrava um "enxame de megaestruturas", a uma possível civilização de ETs.
A Nasa (agência espacial americana) vinha monitorando a estrela havia quatro anos, chamada KIC 8462852, e identificou padrões estranhos de luminosidade em 2011 e em 2013.
Agora, achados recentes da agência apontam para a hipótese de que a aparência da estrela provavelmente seja causada por uma família de cometas viajando em uma órbita longa e rara em torno dela.
À frente da família haveria um enorme cometa, que teria bloqueado a luz da estrela em 2011, como foi detectado pela missão Kepler da Nasa.
Depois, em 2013, o restante da família, fragmentos de cometas de diferentes tamanhos, teriam passado novamente em frente à estrela e bloqueado sua luz, motivando os padrões luminosos misteriosos.

Obra alienígena

Quando a estrela foi identificada, o astrônomo Jason Wright, da Universidade da Pensilvânia, disse que parecia "algo que você esperaria ser construído por uma civilização alienígena."
Tabetha Boyajian, pesquisadora na Universidade de Yale, disse se tratar de "algo nunca visto".
Image copyrightNasa
Image captionIlustração do telescópio espacial Spitzer, que usa luz infravermelha para tentar desvendar os padrões de luz da misteriosa estrela
Pesquisadores usaram luz infravermelha para detectar movimento de calor em torno da estrela, mas os cometas não estavam visíveis nas observações feitas neste ano, o que deixa o caso ainda em aberto.
"Nós talvez ainda não saibamos o que está ocorrendo em torno dessa estrela, e é isso que a torna tão interessante", afirmou o astrofísico Massimo Marengo, que conduziu o estudo da Nasa, baseado em dados do telescópio espacial Spitzer.
Segundo Marengo, mais observações serão necessárias para esclarecer o caso da KIC 8462852.
"Essa é uma estrela muito estranha, que me lembra quando descobrimos os pulsares (estrelas de nêutrons que emitem ondas de rádio). Eles estavam emitindo sinais estranhos que ninguém havia visto, e o primeiro a ser descoberto foi batizado LGM-1 (iniciais de 'pequeno homem verde', na sigla em inglês)."

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Por que Marte vai ter anéis como os de Saturno

Da BBC


Nasa
Image captionPhobos é um acumulado de de escombros que ficam unidos devido a uma capa externa de material mais sólido
Cientistas americanos previram que a maior lua de Marte, Phobos, se despedaçará e que os fragmentos resultantes formarão um anel em torno do planeta nos moldes dos que circulam Saturno.
Em um estudo divulgado na revista especializada Nature Geoscience, os pesquisadores, da Universidade de Berkeley, relatam que Phobos se aproxima de Marte e estimam que a lua será destruída em 20 a 40 milhões de anos.
Phobos orbita a apenas 6 mil quilômetros acima da superfície de Marte, é a lua mais próxima de um planeta em todo o Sistema Solar. A Lua fica a 400 mil quilômetros da Terra, por exemplo.
A gravidade do planeta está atraindo a lua, que avança cerca de dois metros a cada cem anos, segundo a Nasa, a agência espacial americana.
Em seu estudo, os pesquisadores Benjamin Black e Tushar Mittal, calculam que Phobos, de 22 quilômetros de diâmetro, se desintegrará devido à presença de fraturas e poros em sua massa.
Black e Mittal fizeram uma estimativa da coesão de Phobos e concluíram que ela é insuficiente para resistir às forças gravitacionais do planeta.

Barra de cereais

Os cientistas afirmam que Phobos é uma lua com muitas fraturas e despedaçá-la pode ser comparado ao que acontece quando uma pessoa tenta partir uma barra de cereais: pedaços e migalhas se espalham para todos os lados.
E os destroços resultantes da desintegração de Phobos - rochas de vários tamanhos e muita poeira - continuariam orbitando Marte e se distribuir rapidamente em volta do planeta formando um anel.
Nasa
Image captionCom seu anel, o aspecto de Marte no futuro será parecido com o de Saturno
Os pesquisadores preveem que os pedaços maiores cairão no planeta em algum momento, mas a maioria dos destroços circulará Marte durante milhões de anos até que estes pedaços também caiam.
Já a outra lua de Marte, Deimos (que tem cerca da metade do tamanho de Phobos), permanecerá em uma órbita mais distante.
O modelo criado por Black e Mittal mostra também que, uma vez iniciado o processo, ele será rápido: o anel deve ser formar em um prazo de seis semanas.
"Se você estivesse parado na superfície de Marte, poderia se sentar em uma cadeira e ver como Phobos se desintegra para formar um grande anel", disse Black.
Os cientistas afirmam no entanto que serão necessárias mais missões espaciais a Phobos para confirmar se o modelo de previsões que eles criaram para a lua de Marte está correto.
Nasa
Image captionSaturno tem anéis mas, ao contrário de Marte que é rochoso, Saturno é um planeta gasoso
Black e Mittal, do Departamento de Ciências da Terra e Planetária da Universidade de Berkeley, ficaram intrigados com o comportamento atípico de Phobos, de uma lua que se move na direção do planeta em volta do qual orbita. A Lua, por exemplo, se distancia da Terra a cada ano.
O que se sabe é que apenas um outra lua no Sistema Solar, a maior lua de Netuno, Tritão, está se movendo para perto do planeta.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Um ‘Gato de Alice’ cósmico




Combinação de observações feitas com os telescópios espaciais Hubble (luz visível) e Chandra (raios-X) mostra os grupos de galáxias que formam um sorriso no céu e por isso receberam o apelido de “Gato de Cheshire”, personagem do livro “Alice no País das Maravilhas”: estudo indica que as galáxias que formam os “olhos” do gato estão se aproximando a uma velocidade de cerca de 500 mil km/h e devem se fundir dentro de 1 bilhão de anos Foto: Chandra X-ray Observatory Center / Nasa/Chandra/Hubble



Cesar Baima - O Globo


RIO – Dois grupos de galáxias que parecem formar um sorriso no céu devido ao fenômeno das lentes gravitacionais, e por isso receberam o apelido de “Gato de Cheshire” em homenagem ao personagem do livro “Alice no País das Maravilhas”, estão a caminho de um processo de fusão que resultará na criação do que os astrônomos chamam de um “fóssil” cósmico, composto por uma galáxia elíptica gigante cercada por vários conjuntos estelares menores. Segundo estudo publicado recentemente no periódico científico “The Astrophysical Journal”, as duas galáxias que formam os “olhos” do gato estão se aproximando a uma velocidade de cerca de 500 mil km/h e deverão se unir daqui a 1 bilhão de anos, quando então o grupo poderá receber outro apelido, talvez “Ciclope”.

Este “Gato de Alice” cósmico é considerado um exemplo clássico de lente gravitacional, um dos efeitos previstos pela Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, que completa cem anos de sua publicação esta semana. O fenômeno acontece quando a gravidade da matéria tanto visível quanto escura do grupo de galáxias amplia e distorce a luz emitida por outras galáxias mais distantes.


Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/um-gato-de-alice-cosmico-18122135.html#ixzz3sQz9LQHO

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

O planeta com ventos mais rápidos que o som (e temperatura de 1.200ºC)

HD 189733b, a 63 anos-luz da Terra, tem ventos 20 vezes mais velozes do que os já registrados em nosso planeta.

Da BBC
 Uma ilustração do HD 189733b, um dos exoplanetas mais estudados pelos astrônomos (Foto: Universidade de Warwick/Divulgação)Uma ilustração do HD 189733b, um dos exoplanetas mais estudados pelos astrônomos (Foto: Universidade de Warwick/Divulgação)
Pesquisadores britânicos descobriram um exoplaneta no qual os ventos sopram a uma velocidade de 8.690 quilômetros por hora, sete vezes acima da velocidade do som, e com temperatura ambiente de 1.200 graus.
O HD 189733b fica a 63 anos-luz da Terra, fora do Sistema Solar, na constelação Vulpecula. Ele foi descoberto em 2005, mas apenas agora os cientistas da Universidade de Warwick conseguiram observar o clima no planeta.
"Esta é o primeiro mapa meteorológico de fora do nosso Sistema Solar. Já sabíamos que havia vento em exoplanetas, mas nunca conseguimos medir e mapear diretamente um sistema meteorológico", afirmou Tom Louden, do Grupo de Astrofísica da universidade britânica.
Esta é o primeiro mapa meteorológico de fora do nosso Sistema Solar. Já sabíamos que havia vento em exoplanetas, mas nunca conseguimos medir e mapear diretamente um sistema meteorológico"
Tom Louden, da Universidade de Warwick
Os ventos no HD 189733b são 20 vezes mais velozes dos que os mais rápidos já registrados em nosso planeta.
A medição da velocidade foi feita graças a observações do telescópio Harps, no observatório La Silla, no Chile.
"A velocidade (do vento) no HD 189733b foi medida usando uma espectroscopia de alta resolução de absorção do sódio presente na atmosfera. Como parte da atmosfera do HD 189733b se aproxima e afasta da Terra (por causa da órbita e outros movimentos), o efeito Doppler muda o comprimento de onda deste elemento, o qual permite medir a velocidade", acrescentou Louden.
O efeito Doppler é a mudança da frequência de uma onda produzida pelo movimento relativo da fonte em relação ao seu observador. Neste caso, o objeto em movimento é o exoplaneta.
"A superfície da estrela (em torno da qual o exoplaneta gira) é mais brilhante no centro do que na borda", disse Louden.
"E como o planeta se move em frente à estrela, a quantidade relativa de luz que ficava bloqueada em diferentes partes da atmosfera muda."
"Pela primeira vez usamos esta informação para medir as velocidades em lados opostos do planeta de forma independente, o que nos deu nosso mapa de velocidades", acrescentou o cientista.
O clima em outros planetas
Os pesquisadores afirmam que este trabalho pode ajudar a estudar com mais detalhes as correntes de vento em outros planetas parecidos com a Terra e que estão fora do Sistema Solar.

"Estamos muito animados por termos descoberto uma forma de mapear sistemas meteorológicos em planetas distantes. Quando desenvolvermos mais a técnica, conseguiremos estudar o fluxo do vento com mais detalhe e fazer mapas meteorológicos de planetas menores. Esta técnica vai permitir que façamos imagens de sistemas meteorológicos de planetas parecidos com a Terra", afirmou Peter Wheatley, que também faz parte do Grupo De Astrofísica da Universidade de Warwick.
O HD 189733b pertence a uma categoria de planetas conhecidos como "júpiteres quentes".
Eles são chamados assim porque têm uma massa parecida com a de Júpiter e podem percorrer sua órbita em menos de três dias.
No caso do HD 189733b, ele é 10% maior que Júpiter e tem uma temperatura de 1.200 graus.
Devido ao seu tamanho e ao fato de estar relativamente perto de nosso Sistema Solar, ele é um dos exoplanetas mais estudados pelos astrônomos.

domingo, 15 de novembro de 2015

Una 'mostruosa' nube di ghiaccio su Titano

Il vortice che in inverno imperversa sul Polo Sud di Titano (fonte: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute)Il vortice che in inverno imperversa sul Polo Sud di Titano (fonte: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute)
Una "mostruosa" nube di ghiaccio avvolge il Polo Sud di Titano, la più grande delle lune di Saturno: a fotografarla è stata la sonda Cassini, che sta catturando i violenti cambi stagionali in atto. L'analisi delle immagini che rendono evidente la morsa dell'inverno su Titano è stata fatta da Carrie Anderson, del Centro Goddard della Nasa ed è stata presentata nell'incontro annuale della Società Astronomica Americana


. L'arrivo dell'inverno nell'emisfero Sud di Titano era stato mostrato dalle immagini di Cassini scattate nel 2012, quando la sonda aveva visto una enorme nube di ghiaccio in formazione sopra il polo Sud. Secondo i ricercatori americani la gelida coltre fatta soprattutto di azoto e metano era però solamente la punta dell'iceberg. 



Ora nel pieno dell'inverno, che su Titano dura 7 anni e mezzo, il sistema nuvoloso si è allargato di molto raggiungendo temperature bassissime, sotto i -150 gradi centigradi. Grazie ai dati raccolti dallo strumento Cirs (Composite Infrared Spectrometer) si è scoperto che queste nubi somigliano molto alla nebbia terrestre e risultano quasi perfettamente piatte nella parte superiore, un vero gelido mantello. 



Frutto della collaborazione fra Nasa, Agenzia Spaziale Europea (Esa) e Agenzia Spaziale Italiana (Asi), la sonda Cassini 'passeggia' dal 2004 tra le lune di Saturno con periodici incontri che stanno svelando molti preziosissime informazioni. I numerosi sorvoli di Titano, che si concluderanno nel 2017 con la chiusura della missione, stanno infatti svelando i profondi cambiamenti che avvengono nei due emisferi durante i cambi stagionali.

www.ansa.it/scienza

'Segnali' dalla grande Nube di Magellano

La Grande Nube di Magellano (fonte: Wei-Hao Wang, IfA, U. Hawaii)La Grande Nube di Magellano (fonte: Wei-Hao Wang, IfA, U. Hawaii)
'Segnali' dalla Grande Nube di Magellano: hanno sorpreso gli astrofisici e si sono guadagnati una pubblicazione sulla rivista Science perchè sono i primi in assoluto che provengono dalla prima pulsar, ossia da una stella di neutroni che ruota rapidamente su stessa, mai scoperta al di fuori della Via Lattea. 


A intercettare la pulsar è stato il telescopio Fermi, lanciato dalla Nasa e nel quale l'Italia ha un ruolo importante con Istituto Nazionale di Astrofisica (Inaf), Istituto Nazionale di Fisica Nucleare (Infn) e Agenzia Spaziale Italiana (Asi). I segnali inviati dalla stella sono raggi gamma e sono circa venti volte maggiori rispetto a quelli della pulsar più potente finora nota, quella di trova nella Nebulosa del Granchio.

A scoprire la più brillante delle pulsar è stato lo strumento Lat (Large Aera Telescope) del telescopio Fermi. "Nella sua scansione continua del cielo gamma, Fermi ha un'ottima copertura della Nube di Magellano", ha detto Patrizia Caraveo, responsabile per l'Inaf dello sfruttamento scientifico dei dati raccolti da Lat. I dati, raccolti in passato, sono stati nuovamente analizzato con un nuovo software, che ha permesso osservazioni più dettagliate. 

La pulsar dalla quale provengono i raggi gamma si chiama J0540-6919 e si trova nella Nebulosa della Tarantola, nota agli astrofisici per essere ricca di stelle, polveri e gas e distante circa 160.000 anni luce dalla Terra. E' una gemella della pulsar che si trova nella Nebulosa del Granchio perchè ha, come questa, circa 1.100 anni, un campo magnetico simile e gira su stessa in cinque centesimi di secondo.



www.ansa.it/scienza

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Exoplaneta rochoso, muito perto da Terra, pode ter atmosfera

O GJ1132b é o exoplaneta do tamanho da Terra mais próximo já observado.
Ele é muito quente para ter água líquida, mas parece ter atmosfera.

Da France Presse
 O conjunto de telescópios MEarth-South, que fica no Chile, foi responsável pela observação que resultou na descoberta do planeta GJ 1132b (Foto: Jonathan Irwin/Divulgação)O conjunto de telescópios MEarth-South, que fica no Chile, foi responsável pela observação que resultou na descoberta do planeta GJ 1132b (Foto: Jonathan Irwin/Divulgação)
Um novo exoplaneta rochoso que pode ter uma atmosfera foi descoberto a "apenas" 127 anos-luz da Terra, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (11) na revista científica britânica "Nature".
Batizado de GJ 1132b, trata-se do exoplaneta do tamanho da Terra mais próximo jamais observado. Ele está a 127 anos-luz - no canto da rua, na escala do Universo.
"Nossa galáxia cobre cerca de 100.000 anos-luz", ressalta em comunicado Zachory Berta-Thompson, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) nos Estados Unidos e co-autor do estudo. "É um vizinho realmente próximo do sol".
Rochoso como a Terra
O exoplaneta, 1,2 vezes maior que nossa Terra, orbita uma pequena estrela. Após ter medido a oscilação da última, os pesquisadores puderam estimar a massa do exoplaneta em 1,6 vezes a da Terra. Tomando como base o tamanho e a massa, acredita-se que o GJ 1132b é rochoso, como a Terra.

Mas as semelhanças com o nosso mundo, infelizmente, terminam aí, pois lá faz muito calor, 226ºC, segundo estimativas dos pesquisadores. "O planeta é tão quente quanto um cookie que acabou de sair do forno", explica Berta-Thompson.
Devido às temperaturas escaldantes, o GJ 1132b provavelmente não pode ter água em forma líquida, o que o torna incompatível com a vida como a conhecemos.
Mas os cientistas acreditam que estas temperaturas permitem a presença de uma atmosfera.
Calor demais para ser habitável
"Faz muito calor para ser habitável, mas as temperaturas ainda são muito mais amenas do que em outros planetas rochosos que conhecemos", afirmou Zachory Berta-Thompson.

"A maioria dos exoplanetas rochosos são bolas de fogo, quentes demais para terem uma atmosfera", acrescentou.
Os investigadores esperam que a nova geração de telescópios possa descobrir a composição química da atmosfera.
www.g1.globo.com

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Astrônomos identificam objeto mais remoto do Sistema Solar

Compartilhar
Foto: Nasa/JPL - Caltech/R.Hurt
Image captionEsta representação artística mostra o planeta anão Sedna, que antes era considerado um dos objetos mais distantes (Foto: Nasa/JPL - Caltech/R.Hurt)
Astrônomos identificaram o objeto mais distante no Sistema Solar: observações do telescópio japonês Subaru revelaram o corpo, que deve ser gelado, a 15,5 bilhões de quilômetros do Sol, cerca de três vezes mais longe do que Plutão.
O objeto foi catalogado com o nome de V774104 e, segundo estudos iniciais, teria entre 500 e mil quilômetros de extensão.
Agora os cientistas terão que rastrear o planeta anão durante um ano para descobrir qual é a forma e o tamanho de sua órbita em torno do Sol.
A descoberta do objeto mais distante do Sistema Solar foi anunciada no 47º Encontro Anual da Sociedade Americana de Astronomia - Divisão para Ciências Planetárias, que está ocorrendo perto de Washington.
A equipe responsável pela descoberta é liderada por Scott Sheppard, da Instituição Carnegie para Ciência, e Chad Trujillo, do Observatório Gemini no Havaí.
"Não conseguimos explicar as órbitas desses objetos a partir do que sabemos sobre o Sistema Solar", disse Sheppard à revista especializada Science.
Órbitas esquisitas
O objeto até então considerado mais distante era o planeta anão Eris.
Esse corpo celeste, que tem uma lua chamada Dysnomia, se move em uma órbita que fica entre 5,7 bilhões e 14,6 bilhões de quilômetros do Sol.
Para compreender um pouco melhor esses números: a Terra está a 149 milhões de quilômetros do Sol e até mesmo o mais distante planeta maior, Netuno, a 4,5 bilhões de quilômetros de distância, parece mais próximo quando comparado a essas descobertas.
Mas a grande questão é se o V774104 caminha em sua órbita para dentro do local onde está atualmente, como Eris, ou para fora, como os objetos conhecidos como 2012 VP113 e Sedna.
Esses dois corpos estão ligeiramente mais próximos da parte mais interna do Sistema Solar do que Eris, mas as análises de suas órbitas mostram que eles vão alcançar grandes distâncias no espaço, chegando a 66 bilhões e 140 bilhões de quilômetros respectivamente.
Modelos que explicam a formação do Sistema Solar sugerem que objetos assim provavelmente não foram criados com essas órbitas esquisitas.
Uma explicação para isso é que esses objetos sofreram perturbações gravitacionais devido à passagem de um planeta (provavelmente um que foi expulso de nosso Sistema Solar logo no começo de sua história) e foram puxados para suas trajetórias atuais.
Alguns cientistas até especulam que estes objetos podem ter sido "roubados" de uma estrela que se formou a partir do mesmo "berçário" de onde saiu o Sol, há 4,6 bilhões de anos.

Un oggetto misterioso precipiterà sulla Terra, forse è il pezzo di un razzo





Qualcosa cadrà in picchiata sulla Terra il 13 novembre, si tratta di un oggetto di piccole dimensioni (circa due metri) e probabilmente è destinato a disintegrarsi nell'atmosfera senza mai arrivare a toccare la superficie del nostro pianeta. Ma nonostante WT1190F (che è la sigla attribuita a questo Neo, near earth object) sia stato osservato per la prima volta dal Catalina Sky Survey nel febbraio 2013, ancora non è dato sapere cosa sia. Non si tratta di un asteroide perché la sua densità è troppo bassa, potrebbe invece essere un "rifiuto spaziale", come per esempio il componente di qualche razzo lanciato anni fa (magari anche un residuo della gloriosa "corsa allo spazio") e poi rimasto in orbita attorno alla Terra. Gli esperti del Neo Coordination Centre dell'Esa hanno calcolato che possiede un'orbita molto eccentrica e compie una rivoluzione ogni tre settimane. WT1190F ora è destinato a precipitare verso la Terra ma dall'Esa assicurano che non ci sono rischi per la popolazione. Qualsiasi cosa rimanga dell'oggetto, infatti "cadrà nell'oceano a circa 100 chilometri dalla costa meridionale dello Sri Lanka". Il rientro in atmosfera è previsto per le 7.19 ora italiana, 11.49 ora locale. La sua massa non è sufficiente a rappresentare rischi ma sarà di certo uno show da non perdere perché, per alcuni secondi, si potrà ammirare una spettacolare palla di fuoco nel cielo diurno

a cura di MATTEO MARINI
www.repubblica.it

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...