quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Nova análise mostra semelhança entre solos de Marte e do Havaí

Do G1, em São Paulo

Solo de onde o Curiosity retirou a amostra analisada (Foto: NASA/JPL-Caltech/MSSS) 
Solo de onde o Curiosity retirou a amostra  
analisada (Foto: NASA/JPL-Caltech/MSSS)
 
A Nasa divulgou nesta terça-feira os resultados de uma análise feita pelo jipe-robô Curiosity, que mostra que o solo marciano tem uma composição similar à dos solos de origem vulcânica do Havaí, arquipélago no Pacífico que é também um estado norte-americano.


Esta não é a primeira semelhança que o Curiosity encontra entre os objetos dos dois locais. Na primeira quinzena do mês, a agência espacial norte-americana divulgou que a pedra “Jake Matijevic”, encontrada no planeta vermelho, era semelhante a rochas basálticas havaianas.

A identificação da composição das rochas e do solo de Marte é uma parte importante da missão do Curiosity. O veículo foi projetado para tentar descobrir se, algum dia, o planeta já teve as condições necessárias para abrigar vida. Conhecendo os minerais com precisão, é possível descobrir como eles se formaram.

A análise do solo marciano foi feita por um instrumento do Curiosity chamado CheMin. Esse instrumento utiliza um método chamado difração de raio-X para identificar a composição do solo. A tecnologia é muito usada na Terra, mas nunca tinha sido aplicada em Marte e, por isso, torna o Curiosity mais eficaz que seus antecessores.

“Muito de Marte está coberto por poeira, e tínhamos uma compreensão incompleta da sua mineralogia”, explicou David Bish, pesquisador da Universidade de Indiana envolvido no projeto.

“Até o momento, os materiais que o Curiosity analisou são consistentes com nossas ideias iniciais sobre os depósitos na Cratera Gale – região do planeta em que o veículo pousou –, registrando uma transição ao longo do tempo de um ambiente úmido para um seco. As rochas antigas, como os conglomerados, sugerem fluxos de água, enquanto os minerais no solo mais jovem são consistentes com um contato limitado com a água”, completou Bish.

Análise gráfica em raio-X da amostra do solo marciano (Foto: NASA/JPL-Caltech/Ames) 
Análise gráfica em raio-X da amostra do solo marciano 
(Foto: NASA/JPL-Caltech/Ames)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Astrônomo brasileiro descobre estrela rara na Via Láctea

WR42e tem 1 milhão de anos de idade, o que é pouco para uma estrela.
Astro descoberto tem mais de cem vezes a massa do Sol.

Tadeu Meniconi 
  Do G1, em São Paulo
 
Um astrônomo brasileiro que trabalha no Chile descobriu uma estrela rara, localizada a cerca de 25 mil anos-luz da Terra, na Via Láctea, mesma galáxia em que o nosso planeta também se situa. A estrela WR42e chama atenção por sua massa, mais de cem vezes maior que a do nosso Sol, e também pela localização.
A estrela fica a 19 anos-luz do aglomerado estelar mais próximo, chamado NGC 3603, que é uma região de formação de estrelas.

Localização da estrela WR42e e do aglomerado NGC 3603 (Foto: Alexandre Roman Lopes / Divulgação) 
Localização da estrela WR42e e do aglomerado NGC 3603. A distância entre eles está marcada na imagem em 'minutos de arco', uma unidade usada na astronomia que corresponde a aproximadamente 19 anos-luz (Foto: Alexandre Roman Lopes / Divulgação)
 
“As teorias sobre a formação de estrelas muito massivas supõem que deveria haver muito hidrogênio para formá-las, então ela deveria estar no centro de um aglomerado”, ponderou Alexandre Roman Lopes, autor do estudo. O pesquisador da Universidade de La Serena publicou seu trabalho na revista “Monthly Notices of the Royal Astronomical Society”.

O astrônomo não sabe ainda explicar ao certo como essa estrela chegou à sua atual localização. “Em teoria, ela nasceu em outro lugar”, ressaltou. Segundo ele, o mais provável é que ela tenha surgido no aglomerado NGC 3603 e tenha sido expulsa de lá pela interação gravitacional, mas pode ainda haver outras explicações teóricas.

“Só a descoberta de mais exemplares como esse pode dar mais argumentos para a discussão. É uma descoberta muito rara”, apontou Lopes.

Essencial para a vida
WR42e é uma estrela de vida curta. Ela tem cerca de 1 milhão de anos e deve manter sua grande massa e seu brilho por mais 1 milhão de anos. Depois disso, deve explodir, espalhando seu material pelo Universo.
Como base de comparação, o Sol, que é uma estrela mais estável, tem pouco menos de 5 bilhões de anos de idade, e deve ter mais 5 bilhões de anos pela frente.

Para que haja vida em algum planeta próximo, uma estrela como o Sol é muito mais adequada, pois o brilho da WR42e é forte demais para isso. No entanto, essas estrelas gigantes de vida curta têm um papel essencial na criação da vida. Na origem do Universo, existiam apenas elementos muito leves, como o hidrogênio.

Dentro das estrelas, ocorre a fusão nuclear, que dá origem a elementos mais pesados, como o carbono e o oxigênio, que são essenciais para a vida. Se todas as estrelas fossem estáveis como o Sol, elas não expulsariam esses elementos na quantidade necessária para formar os planetas – como a Terra e tudo que há nela.

Bolha cósmica gerada por estrela lembra cabeça de cão ou lobo

Objeto fica 5 mil anos-luz da Terra, na constelação do Cão Maior.
Estudo da Agência Espacial Europeia reúne imagens ópticas e em raios X.

Do G1, em São Paulo

Uma bolha cósmica gigante soprada por uma estrela a 5 mil anos-luz de distância da Terra, na constelação do Cão Maior, foi registrada pela Agência Espacial Europeia (ESA). O estudo, que reúne imagens ópticas e em raios X, foi publicado na revista "Astrophysical Journal".

Os astrônomos acham que a bolha S 308 lembra a cabeça de um cão ou lobo, sendo uma orelha a parte superior esquerda, as estrelas mais brilhantes os olhos, e o focinho a região azul, mais à direita.

A bolha tem 60 anos-luz de diâmetro e é provocada por um forte vento produzido pelo astro em rosa no centro da imagem abaixo, chamado Wolf-Rayet HD 50896.

Bolha ESA (Foto:  ESA, J. Toala & M. Guerrero (IAA-CSIC), Y.-H. Chu & R. Gruendl (UIUC), S. Arthur (CRyA–UNAM), R. Smith (NOAO/CTIO), S. Snowden (NASA/GSFC) and G. Ramos-Larios (IAM)) 
Bolha captada pela ESA (Foto: ESA, J. Toala & M. Guerrero (IAA-CSIC), Y.-H. Chu & R. Gruendl (UIUC), S. Arthur (CRyA–UNAM), R. Smith (NOAO/CTIO), S. Snowden (NASA/GSFC) e G. Ramos-Larios (IAM))
 
As partes em azul representam o plasma quente da estrela – a milhões de graus –, enquanto as verdes são resultado do choque entre o material que é expelido pelo astro e as camadas de gás e poeira já ejetadas anteriormente ao espaço.

A cor azul é visível apenas em raios X e foi flagrada pela câmera Epic, da sonda europeia XMM-Newton. A rosa e a verde foram captadas por dados ópticos, a partir de um telescópio instalado no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no norte do Chile.

Bolhas do tipo Wolf-Rayet são produzidas por estrelas enormes e quentes, normalmente com massa superior a 35 vezes a do Sol. Com o tempo, a S 308 deve estourar e se dispersar no ambiente à sua volta, enquanto o astro cor-de-rosa terminará a vida explodindo como uma supernova.

La cicatrice della Luna

Un dettaglio dell’Oceano delle Tempeste (fonte: NASA/GSFC/Arizona State University) 
Un dettaglio dell’Oceano delle Tempeste (fonte: NASA/GSFC/Arizona State University)
 
La faccia visibile della Luna ha una cicatrice antichissima: porta i segni di un impatto molto antico e violento che ha plasmato la superficie lunare, dando origine al grande oceano delle Tempeste, E' anche la spiegazione del perché i due lati della luna siano composti da rocce di tipo diverso. La scoperta si deve a uno studio giapponese pubblicato sulla rivista Nature Geoscience, coordinato da Ryosuke Nakamura, dell'Istituto di Scienza e tecnologia avanzate di Tsukuba.

L'asimmetria tra la faccia visibile e quella nascosta della Luna è stata scoperta nel 1959, quando per la prima volta è stata osservata la faccia nascosta della luna grazie alla sonda sovietica Luna 3. La differenza, spiegano gli autori dello studio, si evince dalla distribuzione dei mari di basalto, che coprono solo una piccola percentuale del lato nascosto, rispetto a circa il 30% sulla faccia visibile, allo spessore della crosta e dalle concentrazioni di elementi radioattivi, ma l'origine di questa diversità è stata sempre controversa.

Grazie ai dati inviati dalla sonda Kaguya/Selene, dell'Agenzia spaziale giapponese Jaxa, i ricercatori hanno studiato la composizione della superficie lunare relativa a entrambi i lati del nostro satellite. I dati mostrano che un tipo di minerale chiamato pirosseno, indicativo della fusione e dell'azione di scavo del materiale del mantello lunare, si concentra soprattutto intorno a crateri da impatto di grandi dimensioni e intorno all'antico oceano delle tempeste, che ha un diametro di 3.000 chilometri. Pertanto, secondo gli esperti, l'associazione di basso contenuto di questo minerale con un bacino lunare potrebbe indicare un'origine da impatto di questo vasto oceano lunare. Per i ricercatori l'impatto sarebbe avvenuto molto presto nella storia della Luna e avrebbe scavato la crosta originale sulla faccia visibile, portando alla formazione di una nuova crosta, dalla composizione differente.

www.ansa.it

sábado, 27 de outubro de 2012

Novos astronautas chegam com 32 peixes de aquário à Estação Espacial

Dois russos e um americano atracaram na ISS às 10h29 de quinta (25).
Missão 33/34 deve durar seis meses; tripulação fez videoconferência.

Da Reuters

Três astronautas – dois novatos da Rússia e um veterano dos EUA – chegaram na quinta-feira (25) à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) levando consigo 32 peixes de aquário.

Oleg Novitskiy, Evgeny Tarelkin e Kevin Ford atracaram na estação às 10h29 (horário de Brasília), após dois dias de viagem na nave russa Soyuz.

Após verificar a vedação entre as duas naves, o trio se juntou à comandante da estação, a americana Sunita Williams, ao japonês Akihiko Hoshide e ao cosmonauta Yuri Malenchenko. Desde 16 de setembro, por causa do rodízio normal dos astronautas, a estação estava com apenas metade da sua tripulação normal.

Soyuz (Foto: Nasa/Bill Ingalls/AP) 
Astronautas fazem videoconferência com controle russo da missão. Na frente, em azul, estão os recém-chegados Novitskiy (esq.), Ford e Tarelkin. Atrás, Hoshide, Sunita e Malenchenko (Foto: Nasa/Bill Ingalls/AP)
 
"É ótimo ver vocês seis em órbita e seus rostos sorridentes", disse William Gerstenmaier, administrador-associado da agência espacial americana (Nasa) para voos espaciais, que falou por rádio no controle russo da missão, perto de Moscou.

Ford, que havia ido à estação em 2009 em um ônibus espacial dos EUA, disse que notou ruídos e vibrações diferentes na Soyuz, mas que a viagem foi agradável.

Já seus dois colegas russos, novatos, tiveram alguma dificuldade para se adaptar à falta de gravidade. "Tenho de admitir que foi um pouco difícil no primeiro dia, mas aí ficou melhor e mais fácil", revelou um dos cosmonautas da missão 33/34, que deve durar seis meses.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Maior complexo astronômico no Atacama revela imagens do projeto

Telescópio Alma está em construção no Chile e deve ficar pronto em março.
Antenas de rádio compõem a obra, que observará corpos celestes frios.

Do G1, em São Paulo

O maior projeto de astronomia terrestre via rádio do mundo, em construção pelo Observatório Europeu do Sul (ESO) e parceiros internacionais – como o Brasil – no deserto do Atacama, no norte do Chile, teve novas imagens divulgadas nesta sexta-feira (26). A obra deve ser concluída em março de 2013.

Várias antenas de rádio foram instaladas nessa região árida do Planalto de Chajnator para compor o telescópio de última geração Alma (sigla de Atacama Large Millimeter/Submillimeter Array), que deve estudar a radiação produzida por alguns dos objetos mais frios do Universo.  

Telescópio Alma Chile (Foto: Jorge Saenz/AP) 
Conjunto de antenas de rádio forma telescópio Alma, instalado no deserto do Atacama 
(Foto: Jorge Saenz/AP)
 
Essas antenas serão articuladas como um telescópio gigante único, capaz de captar comprimentos de ondas de luz mil vezes mais longos do que qualquer objeto visível a olho nu, além de corpos mais frios do que registram os telescópios infravermelhos, que são bons em observar planetas distantes e sóis, mas acabam perdendo alguns planetas e nuvens de gases onde as estrelas se formam.

Telescópio Alma Chile (Foto: Jorge Saenz/AP) 
Telescópio está na fase final de construção e deve ficar pronto em março de 2013 
(Foto: Jorge Saenz/AP)
 
Na imagem abaixo, feita em setembro, o pintor chileno Osandor Iver trabalha em uma das antenas do Alma.


Telescópio Alma Chile (Foto: Jorge Saenz/AP) 
Pintor chileno participa da obra do maior complexo astronômico terrestre do mundo 
(Foto: Jorge Saenz/AP)
 
Nesta outra foto, o complexo aparece à noite, iluminado pela luz da lua.

Telescópio Alma Chile (Foto: Jorge Saenz/AP) 
Telescópio Alma é visto à noite, sob luz da lua, no deserto do Atacama, norte do Chile 
(Foto: Jorge Saenz/AP)
 
Abaixo, à esquerda, aparece o solo árido do deserto do Atacama, que é considerado o mais seco do mundo e cujo clima com baixíssima umidade ajuda a não ter interferência de outros sinais de rádio. Além disso, o telescópio, extremamente sensível, está instalado em uma região a quase 5 mil metros de altitude, o que facilita as observações.

À direita, aparece a primeira imagem antecipada pelo Alma, há um ano, que revela um par de galáxias espirais que se colidem a 70 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação do Corvo. A imagem combinou dois comprimentos de onda diferentes, durante os testes iniciais feitos em luz visível.


Telescópio Alma Chile (Foto: Jorge Saenz/AP) 
Deserto é considerado o mais seco do mundo; à dir., galáxias vistas em testes
 (Foto: Jorge Saenz/AP/Alma)

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Estudo identifica sistema de pulsar com órbita mais rápida já observada

Estrela de nêutrons orbita com estrela companheira a cada 93 minutos.
Achado foi feito por equipe internacional, que analisou dados de 4 anos.

Do G1, em São Paulo

Um pulsar que viaja pelo espaço com uma estrela companheira, completando a órbita mais rápida já vista para esse tipo de sistema, foi detectado por uma equipe de astrônomos, que publicou estudo na revista “Science” desta quinta-feira (25).

Um pulsar é uma estrela de nêutrons, um objeto compacto e muito denso, muitas vezes com grande rotação, formado durante a explosão de uma estrela.

O pulsar deste estudo, que gira 390 vezes por segundo em torno de seu próprio eixo, se localiza na constelação do Centauro e tem uma estrela companheira que gira ao seu redor. A dupla faz uma órbita em torno de seu centro de massa comum em apenas 93 minutos. A velocidade do pulsar chega a 13 mil quilômetros por hora, e a da parceira é ainda maior: 2,8 milhões de quilômetros por hora.

Segundo os cientistas, liderados por Holger Pletsch, do Instituto Max Planck de Física Gravitacional, na Alemanha, esse é o mais curto período orbital conhecido de todos os pulsares que habitam sistemas binários – em que dois corpos giram em volta de um centro comum, ligados gravitacionalmente.


Pulsar estrela de nêutrons (Foto: Nasa/ESA/AEI/Milde Marketing Science Communication) 
O calor emitido pelo pulsar (esq.) aquece e evapora a estrela companheira. A estrela de nêutrons é cercada por um forte campo magnético, em azul (Foto: Nasa/ESA/AEI/Milde Marketing Science Communication)
 
Esse astro de nêutrons, chamado PSR J1311-3430, é o que restou da explosão de estrelas massivas. Ele ainda concentra muita massa, apesar de ser bastante compacto. De acordo com a equipe, a descoberta pode ajudar a entender a origem e a evolução desses tipos raros de pulsares, que têm centenas de rotações por segundo e incorporam matéria de suas estrelas companheiras.

O novo pulsar foi apelidado de “viúva negra”, pois está “sugando” o astro que orbita – este já identificado anteriormente por telescópios ópticos. O nome, segundo os astrônomos, é uma alusão à espécie de aranha em que a fêmea mata o macho após a cópula. Isso porque, no futuro, a PSR J1311-3430 pode acabar evaporando por inteiro a parceira – que é feita basicamente de gás hélio – e ficar sozinha. Cada vez mais, as duas estão se aproximando, e atualmente ficam a 1,4 vez a distância da Terra em relação à Lua.

Pulsar estrela de nêutrons (Foto: SDO/AIA/AEI) 
Raios gama emitidos pelo pulsar, em rosa, estão evaporando a estrela companheira. O sistema é tão compacto que caberia inteiro dentro do nosso Sol, como mostra a ilustração acima (Foto: SDO/AIA/AEI)
 
Algumas estrelas de nêutrons giram em torno de seu próprio eixo e emitem ao espaço feixes de raios gama semelhantes a um farol. Esse sinal radioativo também revela muito sobre a companheira, que no atual caso é pequena e extremamente densa – com pelo menos oito vezes a massa de Júpiter e apenas 60% do raio do planeta. Em relação ao Sol, a densidade do astro que acompanha a PSR J1311-3430 é cerca 30 vezes maior.

Desde 2008, o lançamento do telescópio espacial de raios gama Fermi, da Nasa, tem colaborado para que os astrônomos detectem um grande número de pulsares – esse novo foi encontrado graças à técnica, após uma análise de dados obtidos ao longo de quatro anos. O primeiro pulsar rápido foi descoberto há 30 anos, por outros métodos.
 
 
 
O novo pulsar fica acima da lança na constelação do Centauro, na Via Láctea 
(Foto: Stellarium/AEI/Knispel)
 
Os cientistas planejam agora novas observações em frequências mais altas de radiação para determinar com precisão a distância entre esse pulsar e a Terra, por exemplo.

Johannes Michael Antonius Polman (Pe.Jorge Polman)


Johannes Michael Antonius Polman

Personagens da nossa Astronomia

JOHANNES MICHAEL ANTONIUS POLMAN
(Pe. Jorge Polman)
1927-1986
* Nelson Travnik

No dia 02 de junho de 1986, às 11 horas, com 59 anos de idade falecia Johannes Michael Antonius Polman ou como era conhecido, Pe. Jorge Polman vitima de um derrame cerebral. Polman nasceu em 07 de janeiro de 1927 na bela, histórica e culta Amsterdam, Holanda. Viveu portanto 59 anos, tempo demasiadamente curto para quem ainda tinha tanto a contribuir com a ciência astronômica e como servo de Deus. Polman chegou ao Brasil em 1952 e ainda não era padre. Esse fato viria ocorrer no dia 01 de dezembro de 1957 no Seminário Menor da Várzea, Recife, Pe, pertencente a Ordem Sagrado Coração de Jesus. A partir desse momento ficou largamente conhecido como Pe. Jorge Polman. No inicio de 1970 ingressou no Colégio São João no bairro da Várzea trazendo consigo um telescópio de 4" e que seria a pedra fundamental para a criação do Clube Estudantil de Astronomia, CEA. Polman era professor de Ciências Físicas e Biológicas e nas horas vagas dedicava-se a astronomia. Não tardou portanto que os seus alunos entusiasmados com os conhecimentos transmitidos por Polman solicitassem instruções para a fundação de uma entidade. E assim surgiu o CEA, tendo como fundador Pe. Polman, figura admirável que a Holanda nos legou. Com a criação do CEA seguiu-se uma serie de atividades práticas, cursos, palestras, programas observacionais e participação em seminários e congressos. A criação da 'Sociedade Astronômica do Recife', SAR, viria logo a seguir e Polman seria seu primeiro presidente. Não tardou que o CEA erigisse no Colégio seu observatório com cúpula e vários instrumentos. Montou uma oficina completa para fabricação de telescópios. Seu lema predileto, como ficou largamente conhecido em todas as ocasiões era: Observar, Observar, Sempre Observar. Seu trabalho tinha o céu como limite.

Polman montando o seu micrômetro bifilar.
Sky and Telescope, Março/1977.


CONTRIBUIÇÕES

Em 1977 Polman desenvolveu um micrometro bifilar que foi motivo para uma ampla reportagem na revista 'Sky and Telescope', nº de maio de 1977, páginas 391 a 393. Polman foi um principais articuladores para a criação da LIADA; foi nomeado Conselheiro da IUAA (International Union of Amateur Astromers) em 1981 e Diretor da Seção de Ocultações por asteroides da LIADA. Desenvolveu grande e reconhecida atividade em estrelas variáveis, estrelas duplas, ocultações de estrelas e asteroides e cometas. Participou no Programa 'Luna Incognita' da ALPO (Association of Lunar and Planetary Observers), além de observações solares para essa e outras entidades. Polman esteve presente em vários congressos no País e exterior. Em um deles estivemos juntos em Montevideo, Uruguai. Veio a Campinas, SP, para observar nosso trabalho no Observatório Municipal e tive o privilégio de hospedá-lo em minha residência. Nutríamos uma grande amizade fruto de uma forte identificação de pensamentos. Polman deixou uma semente que germinou, cresceu e deu bons frutos para a astronomia não só de Pernambuco mas de todo o Brasil. Formou uma legião de discípulos e admiradores. Talvez o mais dedicado deles seja o Audemário Prazeres, hoje residindo em Bezerros, interior de Pernambuco. Seguindo pensamento de Polman, Audemário criou e é o presidente da 'Associação Astronômica de Pernambuco', AAP, que visa criar naquela próspera cidade um moderno planetário junto a um observatório astronômico. A partir de 2010 seu nome está perpetuado em Campinas, SP, no 'Observatório Astronômico Pe. Jorge Polman' do Colégio Sagrado Coração de Jesus dirigido pelo colega Júlio C. F. Lobo. A ele aplicamos o pensamento de Goethe: "Maior que a influência atribuída as estrelas, é a que a memoria dos homens bons exerce sobre nossa vida, nosso caráter, nosso destino". Polman, sacerdote de Deus e de Urânia. SEMPER OBSERVANDUM.

*O autor é astrônomo nos observatórios municipais de Americana e Piracicaba, SP e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.

Romildo Póvoa Faria - Personagens da nossa Astronomia

Romildo Póvoa Faria


 Personagens da nossa Astronomia


1952-2009

*Nelson Travnik

A comunidade astronômica brasileira foi abalada quando no dia 21 de abril de 2009, no Hospital Walfredo Gurgel de Natal/RN, vitima de um AVC, falecia com apenas 57 anos o renomado físico, astrônomo, educador e escritor, Romildo Póvoa Faria. Havia sido indicado pelo colega Carlos E. Mariano de Campinas, para dirigir o planetário de sua fabricação "Sphaera Planetária" adquirido pela cidade de Parnamirim/RN. Estava realizando treinamento da equipe e no dia 1º de abril de 2009, havia sido contratado pela Prefeitura daquela cidade. Romildo nasceu no dia 30 de novembro de 1952 em Manhuaçu, interior de Minas Gerais. Lá passou sua infância e adolescência. Naturalmente aquele céu maravilhoso do interior despertou nele inusitado interesse em conhecer astronomia. Fascinado pela ciência do céu, veio em 1970 para a cidade de São Paulo. Matriculou-se na USP em 1972 e mais tarde foi diplomado em física e matemática. Na ocasião foi colega do também renomado físico, astrônomo, educador e escritor, Paulo Bedaque com quem nutria grande amizade.  Começou dedicar-se em astronomia como planetarista e professor de cursos no Planetário e Escola Municipal de Astrofísica de São Paulo. Lá conheceu o Aulos Plautius Pimenta, também físico e astrônomo como ele e mais tarde ambos seriam contratados pela Prefeitura Municipal de Campinas/SP para trabalhar no Observatório Municipal 'Jean Nicolini'. De 1977 a 1980 realizaram cursos em diversos níveis. Radicado em Campinas, foi diretor de astronomia do Centro de Ciências, Letras e Artes, CCLA ,de 1980 a 1983. De 1984 a 1986 lecionou nos colégios Oswald de Andrade e Logos em São Paulo. Por quase 20 anos trabalhou no Planetário do Museu Dinâmico de Ciências de Campinas. Contratado como professor pela UNICAMP, atuou na Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários. Em 1994 foi professor de ciências no Colégio Sagrado Coração de Jesus onde mais tarde seria construído o "Observatório Jorge Polman". Foi consultor e Assessor do MEC para elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais na área de ciências. Foi coordenador do Planetário de Campinas e participou dos trabalhos para fundação da Associação Brasileira de Planetários, ABP, sendo seu primeiro presidente , eleito por dois mandatos (1996 a 2000) Nesta época foi eleito diretor administrativo da Organização Ibero-Americana de Planetários, OIAP, para o período 1996/98. Coordenou no Planetário o 1º Encontro Brasileiro de Ensino da Astronomia.

OBRAS

Dotado de uma didática excepcional, Romildo escreveu os seguintes livros: Fundamentos de Astronomia; Halley, Viajante do Universo; Visão do Universo; Olhando para o Céu; Iniciação à Astronomia; Maravilhas do Céu Estrelado; Cartilha Astronômica e Astronomia a Olho Nu.

PESSOA

Ainda jovem em Manhuaçu, Romildo conheceu sua primeira esposa Zezé com quem teve uma filha. Vivia desde 2001  com sua segunda esposa Lena com quem teve dois filhos, Vinicius e Helena. Romildo era uma pessoa carismática com um excelente timbre de voz. Uma gravação sua é utilizada até hoje no Planetário de Campinas, MDC. Trabalhamos juntos no Observatório Municipal de Campinas 'Jean Nicolini' e estávamos sempre em contato no Planetário. Participamos juntos de vários eventos. Seu nome consta do Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, 2ª edição, de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, Editora Nova Fronteira, RJ. Sua ausência deixa um enorme vazio em todos nós que o admirávamos como colega e amigo. 

*O autor é astrônomo nos observatórios municipais de Americana e Piracicaba e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.

“Noticias del Universo” en Puerto Montt - Cosmo Noticias





Cosmo Noticias
 


- "Noticias del Universo" en Puerto Montt
- Curiosity halla un antiguo lecho de un río en Marte
- Exitoso CIAA 2012 en Iquique
 
 

"Noticias del Universo" en Puerto Montt

La exhibición, que cuenta con ocho módulos interactivos, tiene como objetivo mostrar cómo el ser humano ha sido capaz de interpretar la información que llega desde el espacio exterior.


¿Qué hay más allá de nuestro planeta?, ¿cómo se creó?, ¿hacia dónde evolucionará?, son algunas de las múltiples interrogantes que los habitantes de Coronel podrán descifrar gracias a la exposición interactiva "Noticias del Universo". La muestra es una invitación a conocer cómo los científicos logran responder éstas y otras interrogantes. A través de módulos interactivos los asistentes podrán experimentar con algunas técnicas que utilizan los científicos para avanzar en esta fascinante aventura de descubrimiento.

La muestra, desarrollada por EXPLORA CONICYT, con el apoyo del Observatorio Europeo Austral (ESO), Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) y el Programa de Astronomía de CONICYT, está compuesta por ocho experiencias interactivas, que señalan el recorrido del ser humano para recibir, reconocer e interpretar la información del espectro electromagnético que recibe nuestro planeta desde el Universo. Los módulos son: Espectro electromagnético, Ondas y Radioastronomía; Fotones y Alfabeto Básico;
 
Espectroscopía: la huella digital de la luz; Un universo en expansión; Temperatura de color: ¿qué nos revela el color de una estrella?; Infrarrojo: informes desde el calor, y Exoplanetas: en busca de nuevas tierras y Paralaje.

Cuándo: Desde el 25 de octubre hasta el 14 de noviembre.
Horarios: Lunes a viernes de 9:00 a 13:00 hr y de 14:30 a 18:30 hr. Sábados, domingos y festivos entre 14:00 y 20:00 hr.
Dónde: Estacionamientos subterráneos, avenida Diego Portales 701, Puerto Montt.
Valor: Entrada liberada.
Contacto: (65) 322330 / exploraloslagos@ulagos.cl


Curiosity halla un antiguo lecho de un río en Marte
 


Afloramiento rocoso, denominado "Hottah", que muestra evidencia de un antiguo flujo de agua en Marte. Crédito: NASA/JPL-Caltech.
 

Curiosity, el vehículo explorador todo terreno, de la NASA, halló evidencia de que alguna vez un flujo de agua corrió vigorosamente a través del área donde el vehículo explorador todo terreno está desplazándose ahora. Ya había prueba de la presencia de agua en Marte pero ésta (las imágenes de rocas que contienen antiguas gravas en el lecho de un río) es la primera de su clase.

"Teniendo en cuenta el tamaño de las gravas que transportaba, podemos interpretar que el agua se movía a aproximadamente 1 metro por segundo, a una profundidad de alrededor de 1 metro", dijo el co-investigador del proyecto Curiosity, William Dietrich, de la Universidad de California, Berkeley. "Se han escrito diversos trabajos sobre canales en Marte con muchas hipótesis diferentes sobre los flujos que los surcaban. Esta es la primera vez que estamos viendo realmente grava transportada por el agua en Marte. Esta es una transición que va desde la especulación sobre el tamaño del material en el lecho hasta la observación directa del mismo".

El sitio del hallazgo yace entre el borde norte del cráter Gale y la base del Monte Sharp (Monte Aeolis), una montaña dentro del cráter. Una imagen anterior de la región, tomada desde la órbita, permite hacer una interpretación adicional del conglomerado de grava. La imagen muestra un abanico aluvial de material que ha descendido desde el borde, surcado por muchos canales que son evidentes y que se encuentran ubicados cuesta arriba de los nuevos hallazgos.

La forma redondeada de algunas piedras en el conglomerado indica que fueron transportadas desde una larga distancia, desde la parte superior del borde, donde un canal llamado Peace Vallis se une al abanico aluvial. La abundancia de canales en el abanico, entre el borde y el conglomerado, sugiere flujos continuos o repetidos durante un largo tiempo (no solamente uno de ellos o durante pocos años).

El descubrimiento surge de examinar dos afloramientos, denominados "Hottah" y "Link", a través del instrumento de telefotografía de la cámara de Curiosity, ubicada en su mástil, durante los primeros 40 días posteriores al aterrizaje. Esas observaciones siguieron pistas anteriores de otro afloramiento, el cual quedó expuesto debido a la acción del propulsor cuando Curiosity, el vehículo explorador todo terreno del Proyecto del Laboratorio Científico de Marte, se posó sobre el planeta.

"Hottah se parece a un trozo de acera de la ciudad levantado por un martillo neumático, pero es en verdad un bloque inclinado de un antiguo lecho de un río", dijo el científico del Proyecto del Laboratorio Científico de Marte, John Grotzinger, del Instituto de Tecnología de California (Caltech), en Pasadena.

Las gravas en conglomerados en ambos afloramientos tienen tamaños variados, van desde un grano de arena hasta una pelota de golf. Algunas son angulares, pero muchas son redondeadas.

"Las formas nos dicen que fueron transportadas y los tamaños nos dicen que no pudieron ser transportadas por el viento. Fueron transportadas por un flujo de agua", señaló la co-investigadora del proyecto Curiosity, Rebecca Williams, del Instituto de Ciencia Planetaria, en Tucson, Arizona.

El equipo científico quizás use a Curiosity con el fin de conocer la composición elemental del material que mantiene unido al conglomerado, y es posible que así pueda revelar más características del ambiente húmedo que formó estos depósitos. Las piedras del conglomerado constituyen una muestra de lo que hay arriba del borde del cráter; de modo que el equipo también puede examinar algunas de ellas para conocer más sobre la geología de la región.

La pendiente del Monte Sharp, en el cráter Gale, continúa siendo el principal destino del vehículo explorador todo terreno. Los minerales de la arcilla y sulfatos detectados allí desde la órbita pueden ser buenos conservantes de los químicos orgánicos con base de carbono que son posibles componentes para que exista la vida.

"Un flujo que circula durante mucho tiempo puede ser un ambiente habitable", afirmó Grotzinger. "Sin embargo, no es prioritario para nosotros como ambiente para conservar compuestos orgánicos. Todavía estamos camino al Monte Sharp, pero esto nos asegura que ya hemos encontrado nuestro primer ambiente potencialmente habitable".


Exitoso CIAA 2012 en Iquique
 


Asistentes al CIAA 2012. Copyright: Brandon Echeverry Sierra.
 

Desde el miércoles 10 de octubre hasta el sábado 13 de octubre se desarrolló en la Universidad Arturo Prat de Iquique la décimo quinta versión del Congreso Internacional de Aficionados a la Astronomía, CIAA 2012, con una asistencia de 117 personas acreditadas. Vinieron delegaciones de Argentina, Bolivia, Colombia y Chile; la más numerosa fue la de Colombia entre los extranjeros, y la de Chile por ser dueños de casa. Desde Francia vino nuestro querido Dr. Patrice Bouchet, de Argentina el siempre admirado Dr. Gabriel Bengochea, de Italia representando al Observatorio de Cerro Paranal el Dr. Giovanni Carraro y de Chile el Dr. Luis Paredes desde Viña del Mar. Muy interesantes las clases magistrales, dictadas por estos científicos de clase mundial, las ponencias de muy buen nivel.

También tuvieron la oportunidad de mostrar sus trabajos alumnos de colegios locales que se están iniciando en esta rama de la ciencia como lo es la Astronomía. La presencia de dos representantes de Cerro Tololo, el Sr. Daniel Munizaga y el Sr. Sergio Pizarro le dieron el nivel que se merecían los alumnos que presentaron sus ponencias. Ellos hicieron un taller de armado de Galileoscopios, donde los propios alumnos armaron sus telescopios, similares al que usó Galileo en el año 1610. Posteriormente cada alumno recibió oficialmente su telescopio con el que podrá disfrutar del cielo dando sus primeros pasos en la observación astronómica.

El viernes 12 de octubre se dividieron los asistentes al Congreso en dos grupos, uno de ellas navegó hasta La Boya, y disfrutó de un viaje histórico, mientras que el otro grupo se dirigió hasta el Museo Corbeta Esmeralda para conocer en detalle esa nave histórica a través de una réplica no funcional de ella.

El sábado 13 se realizó el Tour a la pampa Iquiqueña, Ex oficina Santa Laura, La Tirana, Pica, Matilla (almuerzo) y clausura oficial en Ex Oficina Humberstone en su teatro histórico, con la entrega de Diplomas y finalmente una fiesta de las estrellas en el sector de El Pululo, Observatorio natural en el desierto.

Muchas gracias a todos que con tanto entusiasmo participaron de este congreso nortino, a EXPLORA por su gran apoyo, a la Universidad Arturo Prat por habernos cobijado por tres días en su Aula Magna, al Departamento de Física y Astronomía de la Universidad de Valparaíso que nos envió la Exposción Itinerante, "La Vía Láctea: Nuestro Hogar en el Universo", y al Dr. Bouchet por la Exposición "El Universo" traída desde Francia, en fin a todos, a los representantes de Cerro Tololo, que entregaron generosamente 24 Galileoscopios y al Observatorio del Cerro Paranal por enviar un astrónomo y entregar material de difusión. Muchas gracias a todos y nos estamos viendo nuevamente en Talca 2013.

El Sol emite un destello de clase X1.8 - La sonda Voyager 1 pudo haber salido del Sistema Solar - Cosmo Noticias




Cosmo Noticias
 


La sonda Voyager 1 pudo haber salido del Sistema Solar


Ilustración de una nave Voyager. Crédito: NASA.
 
 

Si bien no hay una postura oficial de la NASA en este asunto, el rumor dice que la Voyager 1 ha dejado el Sistema Solar. La evidencia proviene del gráfico que puedes ver más abajo, que muestra la cantidad de partículas, principalmente protones, procedentes del Sol que golpean a Voyager 1 a través del tiempo. Una enorme disminución a finales de agosto sugiere que Voyager 1 puede estar ahora en el espacio interestelar. Lo último que habíamos escuchado del equipo de Voyager era que, el 28 de julio, el nivel de partículas de baja energía que tenían su origen dentro del Sistema Solar había disminuido a la mitad. Sin embargo, en tres días, los niveles se habían recuperado y llegado cerca de sus niveles anteriores. Pero luego, volvió a disminuir a finales de agosto.

El equipo de Voyager ha dicho que han observado dos de tres señales clave de cambios que se espera que ocurran en el límite del espacio interestelar. Además de la disminución de partículas solares, también observaron un aumento en el nivel de rayos cósmicos de alta energía provenientes desde el exterior del Sistema Solar.
La tercera señal clave sería la dirección del campo magnético. Aún no se ha escuchado de ello, pero los científicos analizan con entusiasmo los datos para ver si éste, de hecho, ha cambiado de dirección. Los científicos esperan que estos tres signos hayan cambiado cuando Voyager 1 haya cruzado hacia el espacio interestelar.
 
 


Cantidad de partículas solares que golpean a la Voyager 1. Gráfico generado el 4 de agosto. Crédito: NASA.
 

"Son momentos emocionantes para el equipo de Voyager, ya que intentamos comprender el ritmo acelerado de los cambios a medida que Voyager 1 se aproxima al borde del espacio interestelar", dijo Edward Stone, científico del proyecto Voyager para toda la misión, quien fue citado a principios de agosto. "Sin duda estamos en una nueva región en el borde del Sistema Solar donde las cosas cambian rápidamente. Pero aún no podemos decir que Voyager 1 ha entrado al espacio interestelar".

Stone añadió que los datos están cambiando de maneras que el equipo no esperaba, "pero Voyager siempre nos ha sorprendido con nuevos descubrimientos".
Voyager 1, lanzada el 5 de septiembre de 1977, se encuentra a aproximadamente 18.000 millones de kilómetros del Sol. Voyager 2, que fue lanzada el 20 de agosto de 1977, la sigue de cerca, a 15.000 millones de kilómetros del Sol.

Fuente: Universe Today


El Sol emite un destello de clase X1.8


El satélite SDO observa la llamarada clase X del 23 de octubre de 2012. Crédito: SDO.
 

La región AR1598 liberó una poderosa llamarada de clase X1.8 –uno de los tipos más fuertes de estallidos-, alcanzando su máximo a las 03:17 UTC de hoy, 23 de octubre. La radiación del destello produjo ondas de ionización en la atmósfera superior sobre Asia y Australia (el lado diurno de la Tierra en ese momento) y el bloqueo de radio producido por el evento alcanzó un nivel R3 (fuerte).

La región no se encuentra frente a la Tierra, pero lo estará dentro de algunos días.

La explosión estelar más brillante de la historia tiene ahora explicación - Cosmo Noticias




Cosmo Noticias
 


La explosión estelar más brillante de la historia tiene ahora explicación

En el año 1006, astrónomos de varios lugares del planeta describieron una explosión en el cielo tan poderosa que sus restos fueron visibles durante tres años. Ahora, se ha dilucidado el origen de este fenómeno: dos estrellas enanas blancas se fusionaron y desencadenaron la supernova SN 1006.
 

Remanente de la supenova SN 1006. Crédito: Rayos X: NASA/CXC/Rutgers/G.Cassam-Chenaï, J.Hughes y colaboradores; Radio: NRAO/AUI/NSF/GBT/VLA/Dyer, Maddalena y Cornwell; Óptico: Middlebury College/F.Winkler, NOAO/AURA/NSF/CTIO Schmidt y DSS.
 

Los testimonios de astrónomos medievales del siglo XI –que, por entonces, eran astrólogos- describen cómo, entre el 30 de abril y el 1 de mayo del año 1006, quedaron fascinados por la mayor explosión estelar que se ha registrado jamás. Observadores chinos destacaron que durante tres años vieron sus restos y, según un físico egipcio de la época, el evento fue unas tres veces más brillante que Venus y emitió tanta luz como una cuarta parte del brillo de la Luna.

La causa de tal fulgor fue una supernova llamada SN 1006. Las supernovas son explosiones de estrellas al final de sus vidas, con emisiones de grandes cantidades de material al medio interestelar, lo que hace posible su estudio siglos después.

Ahora, un grupo internacional de investigadores liderado por el Instituto de Astrofísica de Canarias (IAC) y la Universidad de Barcelona (UB) ha descubierto cómo se produjo esta explosión estelar. En un artículo que apareció en la portada de la revista Nature los científicos la explican "como resultado de la fusión de dos enanas blancas (estrellas de masa inferior a 1,4 veces la masa del Sol en la última etapa de su vida)".

"Hemos realizado una exploración exhaustiva en torno al lugar donde se produjo la explosión en el año 1006 y no hemos encontrado nada, lo que invita a pensar que este evento se produjo probablemente por una colisión y fusión de dos estrellas enanas blancas de masa similar", explica Jonay González Hernández, coautor del estudio e investigador en el IAC.

La SN 1006 procede de un sistema binario, formado por dos estrellas, "que pueden ser dos enanas blancas o una enana blanca y otra compañera", ha explicado a SINC González. En este último caso, la enana blanca, que se encuentra en la última etapa de su vida, captura material de la otra y cuando alcanza cierta densidad y temperatura, estalla como una supernova, dejando un resto estelar.

Si se trata de dos enanas blancas, las dos acaban por fusionarse y, en este caso, no dejan ningún rastro, excepto el remanente de supernova. La pregunta de los astrofísicos era qué tipo de estrellas explosionaron en 1006 y la pista definitiva ha sido la ausencia de compañeras.

Búsqueda de compañera para la enana blanca

Los científicos observaron diferentes tipos de estrellas –gigantes, subgigantes y enanas- en la zona, y se centraron en el análisis de "las únicas cuatro estrellas gigantes que se sitúan a la misma distancia que los restos de la supernova de 1006, a unos 7.000 años-luz de la Tierra", añade.

Utilizaron el espectrógrafo de alta resolución UVES, en el Observatorio Europeo Austral (ESO, Chile), para analizar datos de las cuatro estrellas gigantes, y comprobaron que ninguna de ellas mostraba una velocidad de rotación notable, una característica de las compañeras.

Ese dato, junto con la ausencia de rastro estelar alguno, les sirvió para concluir que las estrellas de la zona de la explosión "no son compañeras de la estrella progenitora de la supernova 1006", explica el investigador.

Desde el IAC añaden que, probablemente, "la SN 1006 se produjo por la adición de masa de una estrella igual o menos masiva que el Sol, o bien mediante la fusión con otra enana blanca, lo que originaría una explosión termonuclear", recoge la investigación. "Esto explicaría la ausencia de restos estelares en la zona de exploración", cuenta González.
Calibrar distancias en cosmología

Esta no ha sido la primera vez que los investigadores estudiaban una supernova. En 2004 analizaron la del año 1572 y lograron identificar su estrella compañera.
Pilar Ruiz-Lapuente, investigadora del Instituto de Ciencias del Cosmos de la UB (ICCUB) y del Instituto de Física Fundamental (IFF-CSIC), coautora del trabajo actual y líder del anterior, comenta que en esa ocasión exploraron "otra región cerca del centro de los restos de la supernova de Tycho y encontramos una estrella subgigante de temperatura similar a la del Sol". Entonces llegaron a la conclusión de que podía ser la compañera de la estrella progenitora de la supernova de 1572.

Ruiz-Lapuente asegura que en esta ocasión también estaban buscando a la compañera de la supernova de 1006 y que ha sido "una sorpresa" no encontrarla.
Los resultados de este estudio avanzan que "los modelos que explican las explosiones de supernovas en sistemas binarios no están claros", comenta González. El investigador concluye que "un mejor conocimiento de la formación de explosiones estelares por fusión de enanas blancas podría ser útil, por ejemplo, para calibrar las distancias en cosmología".
 
 

Fuente: SINC

Anche l'Italia a caccia dei pianeti extrasolari

La missione europea Cheops: lancio previsto nel 2017



Scienziati italiani mobilitati nella caccia agli esopianeti, cioè i pianeti intorno ad altre stelle della nostra galassia. Un nutrito numero di astronomi dell’Istituto nazionale di astrofisica (Inaf) appartenenti agli osservatori di Padova, Torino, Catania, Palermo e della Fondazione Galileo Galilei e coordinati dall’Agenzia spaziale italiana (Asi), partecipa al progetto Cheops dell’Agenzia spaziale europea (Esa). Cheops (da Characterizing Exoplanets Satellite) è una piccola missione destinata a puntare gli obiettivi su stelle dove già sono stati individuati intorno dei pianeti e altre dove esiste la forte probabilità che esistano. 

OBIETTIVO AMBIZIOSO - L’obiettivo è ambizioso perché si vuol scoprire e indagare corpi planetari mentre transitano davanti alla stella-madre con un raggio da uno a sei volte quello della Terra e con una massa fino a venti volte superiore alla nostra. «Con Cheops potremo misurare la dimensione dei pianeti con grande accuratezza», nota Isabella Pagano dell’Inaf di Catania, «e da questa misura risalire alle altre caratteristiche». 


La missione Cheops (Un. di Berna)La missione Cheops (Un. di Berna)
 
MISSIONE - «La missione sarà realizzata in cinque anni», aggiunge Barbara Negri, responsabile dell’esplorazione e osservazione dell’universo in Asi, «ed è stata scelta fra 26 proposte europee per il suo notevole interesse scientifico». Nella caccia ai pianeti extrasolari gli scienziati italiani hanno già maturato una certa esperienza. All’Università di Padova ricercatori Inaf utilizzano lo spettrografo Harps-N installato sul telescopio nazionale Galileo alle isole Canarie. In Italia saranno realizzati gli specchi primario e secondario del telescopio imbarcato sul satellite, lo schermo protettivo del veicolo spaziale dalla radiazione solare ed anche il sistema di calibrazione per il puntamento. 

LANCIO - Cheops verrà lanciato nel 2017 e la stazione Asi di Malindi sarà mobilitata nella raccolta dei dati che poi saranno immagazzinati per lo studio nell’Asi Science Data Center all’Esrin di Frascati. Ora il satellite americano Kepler sta scoprendo centinaia di esopianeti, ma presto dovremo dunque ricevere anche le sorprese dell’europeo Cheops. 

Earth Observatory: What's New Week of 23 October 2012




The latest from NASA's Earth Observatory (23 October 2012)
------------------------------------------------------------------------


Petermann Ice Island 2012: On the Move

This time-lapse video shows the calving of an ice island from Greenland's Petermann Glacier and the drifting of the ice down the fjord and southward through Nares Strait between July 9 and September 13, 2012.

http://www.youtube.com/watch?v=G08xPmxR28U&src=eoa-ann

------------------------------------------------------------------------

Latest Images:
http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/
 
* Haze over Eastern China
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79468&src=eoa-iotd

* Fresh Lava on Kilauea, Hawaii
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79452&src=eoa-iotd

* Mount Shasta, California
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79456&src=eoa-iotd

* Wildfires in Australia
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79430&src=eoa-iotd

* Dust Storm in the Great Plains
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79459&src=eoa-iotd

* A Growing Rift in Antarctic Ice
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79440&src=eoa-iotd

* Central Asia's Water Tower
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79419&src=eoa-iotd

* Finding Fossils in the Great Divide Basin
  http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=79412&src=eoa-iotd

--------------------

Recent Blog Posts:
http://earthobservatory.nasa.gov/blogs/

Earth Matters
* Keeping track of changing landscapes
  http://earthobservatory.nasa.gov/blogs/earthmatters/?p=2893&src=eoa-blogs

* Which do you prefer: active fires or burn scars?
  http://earthobservatory.nasa.gov/blogs/earthmatters/?p=2857&src=eoa-blogs

* Well...how did I get here?
  http://earthobservatory.nasa.gov/blogs/earthmatters/?p=2840&src=eoa-blogs

--------------------


---------------------------------------------------------------------
Earth Observatory weekly mailing -- http://earthobservatory.nasa.gov/

NASA's Spitzer Sees Light of Lonesome Stars




News release: 2012-334                                                                       Oct. 24, 2012

NASA's Spitzer Sees Light of Lonesome Stars

The full version of this story with accompanying images is at:
http://www.jpl.nasa.gov/news/news.php?release=2012-334&cid=release_2012-334  

PASADENA, Calif. - A new study using data from NASA's Spitzer Space Telescope suggests a cause for the mysterious glow of infrared light seen across the entire sky. It comes from isolated stars beyond the edges of galaxies. These stars are thought to have once belonged to the galaxies before violent galaxy mergers stripped them away into the relatively empty space outside of their former homes.

"The infrared background glow in our sky has been a huge mystery," said Asantha Cooray of the University of California at Irvine, lead author of the new research published in the journal Nature. "We have new evidence this light is from the stars that linger between galaxies. Individually, the stars are too faint to be seen, but we think we are seeing their collective glow."

The findings disagree with another theory explaining the same background infrared light observed by Spitzer. A group led by Alexander "Sasha" Kashlinsky of NASA's Goddard Space Flight Center in Greenbelt, Md., proposed in June this light, which appears in Spitzer images as a blotchy pattern, is coming from the very first stars and galaxies.

In the new study, Cooray and colleagues looked at data from a larger portion of the sky, called the Bootes field, covering an arc equivalent to 50 full Earth moons. These observations were not as sensitive as those from the Kashlinsky group's studies, but the larger scale allowed researchers to analyze better the pattern of the background infrared light.

"We looked at the Bootes field with Spitzer for 250 hours," said co-author Daniel Stern of NASA's Jet Propulsion Laboratory in Pasadena, Calif. "Studying the faint infrared background was one of the core goals of our survey, and we carefully designed the observations in order to directly address the important, challenging question of what causes the background glow."

The team concluded the light pattern of the infrared glow is not consistent with theories and computer simulations of the first stars and galaxies. Researchers say the glow is too bright to be from the first galaxies, which are thought not to have been as large or as numerous as the galaxies we see around us today. Instead, the scientists propose a new theory to explain the blotchy light, based on theories of "intracluster" or "intrahalo" starlight.

Theories predict a diffuse smattering of stars beyond the halos, or outer reaches, of galaxies, and in the spaces between clusters of galaxies. The presence of these stars can be attributed to two phenomena. Early in the history of our universe as galaxies grew in size, they collided with other galaxies and gained mass. As the colliding galaxies became tangled gravitationally, strips of stars were shredded and tossed into space. Galaxies also grow by swallowing smaller dwarf galaxies, a messy process that also results in stray stars.

"A light bulb went off when reading some research papers predicting the existence of diffuse stars," Cooray said. "They could explain what we are seeing with Spitzer."

More research is needed to confirm this sprinkling of stars makes up a significant fraction of the background infrared light. For instance, it would be necessary to find a similar pattern in follow-up observations in visible light. NASA's upcoming James Webb Space Telescope (JWST) might finally settle the matter for good.

"The keen infrared vision of the James Webb Telescope will be able to see some of the earliest stars and galaxies directly, as well as the stray stars lurking between the outskirts of nearby galaxies," said Eric Smith, JWST's deputy program manager at NASA Headquarters in Washington. "The mystery objects making up the background infrared light may finally be exposed."

Other authors include Joseph Smidt, Francesco De Bernardis, Yan Gong and Christopher C. Frazer of UC Irvine; Matthew L. N. Ashby of the Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics in Cambridge, Mass; Peter R. Eisenhardt of JPL; Anthony H. Gonzalez of the University of Florida in Gainesville; Christopher S. Kochanek of Ohio State University in Columbus; Szymon Kozłowski of Ohio State and the Warsaw University Observatory in Poland; and Edward L. Wright of the University of California, Los Angeles.

JPL manages the Spitzer Space Telescope mission for NASA's Science Mission Directorate in Washington. Science operations are conducted at the Spitzer Science Center at the California Institute of Technology in Pasadena. Data are archived at the Infrared Science Archive housed at the Infrared Processing and Analysis Center at Caltech. Caltech manages JPL for NASA.

For more information about Spitzer, visit: http://www.nasa.gov/spitzer .

Media Contact:
Alan Buis 818-354-0474
Jet Propulsion Laboratory, Pasadena, Calif.
Alan.buis@jpl.nasa.gov  

J.D. Harrington 202-358-5241
NASA Headquarters, Washington
j.d.harrington@nasa.gov

- end -
  

NASA's NuSTAR Spots Flare From Milky Way's Black Hole




 
View as Web Page

News release: 2012-333                                                                     Oct. 23, 2012

NASA's NuSTAR Spots Flare From Milky Way's Black Hole

The full version of this story with accompanying images is at:
http://www.jpl.nasa.gov/news/news.php?release=2012-333&cid=release_2012-333  

PASADENA, Calif. - NASA's newest set of X-ray eyes in the sky, the Nuclear Spectroscopic Telescope Array (NuSTAR), has caught its first look at the giant black hole parked at the center of our galaxy. The observations show the typically mild-mannered black hole during the middle of a flare-up.

"We got lucky to have captured an outburst from the black hole during our observing campaign," said Fiona Harrison, the mission's principal investigator at the California Institute of Technology (Caltech) in Pasadena. "These data will help us better understand the gentle giant at the heart of our galaxy and why it sometimes flares up for a few hours and then returns to slumber."

The new images can be seen by visiting: http://www.nasa.gov/nustar  .

NuSTAR, launched June 13, is the only telescope capable of producing focused images of the highest-energy X-rays. For two days in July, the telescope teamed up with other observatories to observe Sagittarius A* (pronounced Sagittarius A-star and abbreviated Sgr A*), the name astronomers give to a compact radio source at the center of the Milky Way. Observations show a massive black hole lies at this location. Participating telescopes included NASA's Chandra X-ray Observatory, which sees lower-energy X-ray light; and the W.M. Keck Observatory atop Mauna Kea in Hawaii, which took infrared images.

Compared to giant black holes at the centers of other galaxies, Sgr A* is relatively quiet. Active black holes tend to gobble up stars and other fuel around them. Sgr A* is thought only to nibble or not eat at all, a process that is not fully understood. When black holes consume fuel -- whether a star, a gas cloud or, as recent Chandra observations have suggested, even an asteroid -- they erupt with extra energy.

In the case of NuSTAR, its state-of-the-art telescope is picking up X-rays emitted by consumed matter being heated up to about 180 million degrees Fahrenheit (100 million degrees Celsius) and originating from regions where particles are boosted very close to the speed of light. Astronomers say these NuSTAR data, when combined with the simultaneous observations taken at other wavelengths, will help them better understand the physics of how black holes snack and grow in size.

"Astronomers have long speculated that the black hole's snacking should produce copious hard X-rays, but NuSTAR is the first telescope with sufficient sensitivity to actually detect them," said NuSTAR team member Chuck Hailey of Columbia University in New York City.

NuSTAR is a Small Explorer mission led by Caltech and managed by NASA's Jet Propulsion Laboratory in Pasadena for NASA's Science Mission Directorate in Washington. Orbital Sciences Corporation of Dulles, Va., built the spacecraft. Its instrument was built by a consortium including Caltech; JPL; the University of California (UC) Berkeley; Columbia University; NASA's Goddard Space Flight Center in Greenbelt, Md.; the Danish Technical University in Denmark; Lawrence Livermore National Laboratory in Livermore, Calif.; and ATK Aerospace Systems of Goleta, Calif.

NuSTAR's mission operations center is at UC Berkeley, with the Italian Space Agency providing an equatorial ground station located at Malindi, Kenya. The mission's outreach program is based at Sonoma State University in Rohnert Park, Calif. Goddard manages NASA's Explorer Program. Caltech manages JPL for NASA.

For information about NASA and agency programs, visit: http://www.nasa.gov .

Alan Buis 818-354-0474
Jet Propulsion Laboratory, Pasadena, Calif.
Alan.buis@jpl.nasa.gov

J.D. Harrington 202-358-5241
NASA Headquarters, Washington
j.d.harrington@nasa.gov


- end -

Attend Lunar and Meteorite Sample Certification Workshop at NASA/JPL Educator Resource Center


 




Educator Workshop                             Oct. 23, 2012


This is a feature from the NASA/JPL Education Office.


NASA Lunar and Meteorite Sample Certification Program


Date: Saturday, Nov. 10, 2012, 10 a.m. - 12:30 p.m.

Target audience: Recommended for teachers in all grades in a classroom setting

Location: NASA/JPL Educator Resource Center, Pomona, Calif.

Overview: NASA makes actual lunar samples from the historic Apollo missions available to lend to teachers. You must attend this certification workshop to bring the excitement of real lunar rocks and regolith samples to your students. This workshop is being offered at the NASA/JPL Educator Resource Center located in Pomona, please call 909-397-4420 to reserve your spot.

For more information and directions, visit: http://www.jpl.nasa.gov/education/index.cfm?page=115  

-end-
.

X-class Solar Flare on Oct. 23rd




Space Weather News for Oct. 23, 2012
http://spaceweather.com

HIGH SOLAR ACTIVITY:  New sunspot AR1598 has boosted solar activity to high levels.  This morning, Oct. 23rd, it produced a powerful X1-class solar flare.  There have been four significant flares since the active region emerged three days ago, and it seems that more could be in the offing. Check http://spaceweather.com  for more information and updates.

X-FLARE ALERTS: Would you like a call when solar flares are underway? X-flare alerts are available from http://spaceweathertext.com (text) and http://spaceweatherphone.com  (voice).


Encontro sobre vulcões e meteoritos acontece no Rio e em Florianópolis

No dia 26 de outubro acontecerá o III Encontro de Meteoritos & Vulcões.
No Rio, evento será no dia 26 de outubro.

 

Do G1 Rio
 
A coluna de meio ambiente do Bom Dia Rio desta quinta-feira falou sobre meteoritos. Neste site há imagens e informações que ajudam a identificar se uma pedra é ou não é um meteorito.

No dia 26 de outubro acontecerá o III Encontro de Meteoritos & Vulcões, no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Crstóvão, na Zona Norte do Rio. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo e-mail congressos@oi.com.br, endereçados à Rita Lusiê.

É preciso enviar: nome completo, instituição de ensino, contatos (e-mail e telefones) e cidade (RJ ou SC) em que participará das atividades. Ao todo são 150 vagas. Veja a programação do evento neste site. O evento também acontece na Universidade do Estado de Santa Catarina, em Florianópolis, no dia 29 de outubro.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...